Um bilhão de vozes para histórias de educação

Um bilhão de Vozes pela Educação: Agir agora para elevar as vozes dos atingidos

És uma das BILHÕES de pessoas cuja educação foi atingida pelo COVID-19? A educação do teu(ua) filho(a), das tuas sobrinhas e dos teus sobrinhos, dos teus amigos foi atingida? O mundo precisa ouvir tua história de esperança, de desespero, de resiliência, de organização e de mobilização.

DEIXEM TUAS VOZES SEREM OUVIDAS! Compartilhem tuas história conosco!

Estás preocupado(a) com o futuro dos bilhões de alunos(as) e crianças cuja educação foi suspensa ou interrompida por causa do COVID-19? Leia as histórias deles(as) abaixo!

A educação corre o risco de se tornar um luxo em Vanuatu

“Não tenho dinheiro suficiente para uma passagem de ônibus para ir à escola ou fazer um curso”

Com a COVID-19, as fronteiras de Vanuatu fecharam, o turismo parou, e a economia caiu drasticamente, deixando milhares de pessoas desempregadas e incapazes de cuidar de suas famílias, muito menos de mandar seus filhos à escola. Muitas pessoas pedem ao governo para distribuir um pacote de estímulo aos pais que perderam seus empregos para que possam mandar seus filhos à escola. Saiba mais neste vídeo.

 

 

 

Uma mãe desesperada: A educação da sua filha está comprometida por causa do COVID-19

Meu nome é Anna Seck. Sou mãe da Anna Aw, aluna do Saint Gabriel College, uma escola pública em Thiès (70 kms de Dakar). Eu costumava vender sucos típicos e podia sustentar minha filha, que estava indo muito bem na escola. Na verdade, ela ganhou um prémio para cada uma das suas redações. Quando o COVID-19 aconteceu, meu negócio foi afectado tremendamente porque as medidas tomadas pelas autoridades não permitiram que eu vendesse meus produtos. Mercados e escolas foram fechados, ou suas actividades foram reduzidas às operações básicas. Com isto isto, eu não pude pagar as taxas escolares da minha filha e a escola recusou a distribuição de um boletim semestral. Fiz o que pude para que ela pudesse fazer o exame BFEM (certificado geral no final do ensino fundamental) e graças a Deus ela passou.

Minha filha deveria estar entrando no primeiro ano do ensino médio, mas sem um boletim escolar, sua matrícula e seus estudos estão comprometidos. COVID-19 teve um verdadeiro impacto negativo na educação da minha filha.

Sem chance de alcançar

Ionut, de 12 anos, e sua família vivem em condições difíceis. O seu pai está frequentemente fora, a trabalhar arduamente para sustentar a família, e sua mãe está doente e não pode cuidar da família.

Como faltou muitas vezes às aulas, Ionut está a repetir a quarta classe. O seu objectivo para este ano lectivo era dar o melhor de si e alcançar seus colegas de classe. Por causa da pandemia do COVID-19, as escolas em toda a Roménia fecharam por meses e Ionut foi excluído porque não tinha acesso ao ensino online.

O seu desejo era que a escola funcionasse como antes e que ele e seus amigos voltassem para a sala de aula, com a professora, para aprender e brincar juntos. As escolas reabriram na Roménia recentemente, mas ainda há muitas incertezas sobre quanto tempo ainda o país se encontra afectado gravemente pela pandemia.

O sonho de Maritza Valdés Torres para sua filha

Na pequena comunidade de Mancura, no distrito de Pomacanchi, no Peru, Maritza Valdés Torres sonha com a filha em cursar uma universidade e a alcançar oportunidades profissionais. Quando a escola fechou, e embora ela mesma tenha recebido pouca educação, ensinou a filha todos os dias em casa. Veja a entrevista de Martiza aqui.

 

 

 

 

Minha contribuição para a sociedade durante a pandemia COVID-19-José Luis Pérez-Peru

Olá, meu nome é José Pérez. Sou estudante de Engenharia Geográfica na “Universidade Nacional Mayor de San Marcos”. Tive o privilégio de receber a Bolsa de Alojamento concedida pela mesma Universidade e o Financiamento de Moradia e Alimentação concedido pelo Ministério da Educação.

Minha contribuição para a sociedade durante a pandemia tem sido pela criação da plataforma OXIMAP, que tem sido um grande apoio às famílias mais vulneráveis durante a COVID-19, ao facilitar o acesso às estações de recarga de oxigênio confiáveis, acessíveis e, em alguns casos, gratuitas ”.

José Luis Pérez é natural de Chanchamayo, província da região de Junín, localizada no planalto central do Peru.

Graças a estes subsídios que ele mencionou, ele pode estudar numa universidade.

Bolsas de estudo e subsídios são indicadores do aumento financeiro investido no ensino superior público.

Mira el video en español aquí.

Quando COVID-19 impossibilita o único ambiente seguro

Shamarke e Zakariye, respectivamente, com 14 e 13 anos, moravam nas ruas de Mogadishu, capital da Somália. Como muitas outras crianças, foram obrigadas a morar nas ruas por causa da pobreza e das divisões familiares. “Eu deixei meus pais quando era muito novo. Não sei aonde a minha família está ”, disse Shamarke.

COVID-19 causou impactos profundos e generalizados na economia da Somália, ao colocar em risco a subsistência de muitas famílias e ao sujeitar ainda mais crianças ao risco de acabarem na rua.

Paralelamente a isto, o fechamento de escolas teve um grande impacto nas crianças da Somália. Mesmo antes do COVID-19, estimou-se que dos 4,5 milhões de crianças em idade escolar, apenas 1,5 milhão de crianças frequentaram as escolas, e 3 milhões de crianças em idade escolar ficaram sem frequentar às escolas.

O fechamento prolongado de escolas expôs muito mais crianças ao abuso e à exploração, e que tirou o que era para muitos o único ambiente seguro. “Antes eu morava com meninos de rua. A maioria deles costumava ter facas grandes. Eu fui tirado destas gangues. Agora eu moro num bom lugar. Peço às outras crianças de rua para voltarem para as escolas ”. Shamarke disse.

A escola foi, de facto, fundamental para tirar Shamarke e Zakariye das ruas. Graças ao Centro de Reintegração das Crianças de Rua – Kadare, filiado à Coalizão da Somália pela Educação para Todos (EFASOM), eles puderam retomar seus estudos em dezembro de 2020.

Zakariye: “Eu morava como uma criança de rua na área de Ceelgaab do distrito de Hamarweyne de Mogadishu. Eu fui viciado em drogas. Agora estou com saúde e a estudar. Eu tenho um lugar para dormir e comida para comer. No futuro, quero ser um professor ”.

O sonho de Muhammad

“Meu sonho é me tornar um pesquisador em ciências ou matemática”

de 8 anos, é ser um pesquisador em ciências ou matemática. Com a disseminação do COVID-19, as escolas primárias por todo o Egito fecharam e Muhammad não conseguiu inscrever-se na segunda classe. A família de Muhammad encontrou um programa de voluntariado chamado “o pequeno gênio”, que busca achar alunos talentosos em matemática. A família viajou 40 km por dia, desde a pequena aldeia dele até a cidade de Kharga, para que Muhammad participasse do treinamento. O programa também teve que parar, mas isto não impediu Muhammad, que pratica agora em casa os jogos cognitivos de aritmética que aprendeu no treinamento e que compartilha com seus amigos na aldeia.