Os jovens esperam não apenas ser beneficiários, mas também parceiros para lidar com a pandemia

Os jovens esperam não apenas ser beneficiários, mas também parceiros para lidar com a pandemia

“Alguns de meus amigos fofocam perto do bebedouro, dizendo que não voltarão para a escola quando a quarentena terminar. Qual é o valor da educação, se afinal, é o dinheiro que importa! Não tenho certeza se poderei estudar na escola depois do levantamento das restrições,” diz Nani Danuwar, uma menina de quatorze anos da Comunidade Danuwar no distrito de Lalitpur, no Nepal. Nani é apenas um exemplo de milhares de jovens no Nepal e, especialmente, aqueles provenientes de comunidades desfavorecidas que dormem todas as noites preocupadas com as implicações da pandemia em suas vidas. A pandemia atormentou esses jovens com incertezas diárias e causou grandes interrupções em suas vidas rotineiras, educacionais, sociais e econômicas. “No ano passado, fiz o exame da 7ª série e o resultado ainda está pendente. Li o livro do ano passado várias vezes e agora novamente, já que não sei se posso conseguir novos livros para ler ou não ”, acrescenta Nani Danuwar durante a sua entrevista com a Campanha Nacional de Educação do Nepal (NCE Nepal), uma rede nacional de mais de 364 organizações membros que trabalham pelo direito à educação no Nepal desde 2003.

Os jovens começaram a se sentir sozinhos e estão mais envolvidos nas tarefas domésticas. Basicamente, aqueles provenientes de comunidades marginalizadas são incapazes de acessar aprendizagem à distância ou serviços de Internet. A vida tem sido difícil para esses jovens, com pouca ou nenhuma fonte de renda e restrição de movimento e reunião. “Sempre há uma disputa entre meus pais em relação à renda. O movimento não deve ser restringido pelo governo, já que nós, pobres, estamos morrendo de qualquer maneira com o vírus ou a fome,” diz Bir Danuwar, um garoto de dezesseis anos da mesma comunidade. Houve um aumento da tensão nas famílias, o que tem afetado a psicologia das crianças, aumentado a raiva, a ansiedade, a depressão e também aumentado os casos de abuso social e crime no país devido à pandemia. Embora os jovens estejam com suas famílias, eles raramente se sentem à vontade, pois precisam da companhia de pessoas de sua idade para compartilhar seus problemas. Outra dificuldade tem a ver com a proteção dos jovens da Internet, jogos ou qualquer outro vício.

No entanto, também existem jovens na sociedade que sentem que podem contribuir na luta contra o vírus. Jovens pesquisadores da Pesquisa-Ação da Juventude da NCE Nepal, da mesma comunidade de Dukuchhap, se engajaram através do fornecimento de serviços de aconselhamento aos jovens sobre como lidar com a situação e garantir o aprendizado em casa com diferentes atividades. “Conto histórias para minha irmã e sempre que ela sente vontade de sair da escola, eu a faço perceber como a educação é importante para ser independente e empoderada”, diz Siya Danuwar, uma pesquisadora de vinte e três anos. “Os jovens exigem motivação contínua, coragem, empoderamento e orientação para que se tornem determinados o suficiente para enfrentar bem qualquer situação anormal”, acrescenta Siya durante a entrevista feita pela NCE Nepal. Esses jovens não apenas esperam ser os beneficiários, mas também querem ser vistos como parceiros para lidar com a pandemia. Eles esperam ser ouvidos e colaborar com os governos locais para encontrar soluções em conjunto.

Escrito por:

Ram Gaire, NCE Nepal

Nota: Todos os nomes dos jovens foram alterados.

Este blog faz parte de nossa série de blogs sobre a COVID-19, com o objetivo de destacar questões que afetam a educação, alunos e ativistas pelo direito à educação em todo o mundo, incluindo populações deslocadas, educação inclusiva e de adultos. Também estamos destacando questões através de perspectivas regionais da África, América Latina e vários blogs focados na juventude.

Fiquem atentos à nossa série de webinários relacionados com a COVID-19 para discussões mais aprofundadas.



Deixe uma resposta