COVID-19 e a educação de adultos

COVID-19 e a educação de adultos

A COVID-19 desencadeou uma crise de saúde com um impacto significativo em todos os elementos do ensino. De acordo com a UNESCO, o encerramento de escolas afectam mais de 90% da população estudantil do mundo. As estatísticas sobre o impacto da COVID-19 na educação centram-se exclusivamente no ensino das crianças e jovens sem tomar em consideração a educação para adultos, que também está a ser interrompido.

O ODS4 visa garantir a igualdade de acesso à educação de qualidade para todos e a promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida, mas a crise da COVID-19 confirma, uma vez mais, que a educação de adultos não é uma prioridade para a maioria dos países.

Efeitos da COVID-19 na educação para adultos na África Ocidental

A educação para adultos, tradicionalmente, não tem sido bem financiada. O encerramento dos centros de aprendizagem de adultos afectou negativamente os pequenos ganhos obtidos na educação de adultos ao longo dos anos, através do sistema formal. A aprendizagem inter-gerações que ocorria quando os pais e os filhos discutiam os trabalhos de casa à noite já não existe pois não há novos conteúdos de aprendizagem para crianças e adultos. O confinamento causou um abrandamento da actividade económica e agravou a pobreza nos países em desenvolvimento onde os níveis de ensino já são excepcionalmente baixos. Consequentemente, os adultos que estavam envolvidos em programas de educação e a desfrutar do seu direito à educação, tiveram de interromper os seus estudos. Isto poderá resultar no retorno do analfabetismo visto que todos os adultos que suspenderam a sua aprendizagem não vão voltar aos centros de ensino, pois terão de priorizar as suas actividades económicas no final do confinamento. Com o início da época das chuvas em Abril de 2019, a maioria dos adultos dará prioridade ao trabalho nos campos, em detrimento da sua aprendizagem. Na maioria dos países o financiamento dos centros de educação de adultos está suspenso sendo que os facilitadores não receberam os seus salários.

Iniciativas para promover a educação de adultos durante a COVID-19

Ao contrário do sector da educação formal, onde o ensino à distância [1] usando a rádio e a televisão está a ser introduzido, o sub-sector da educação não- formal está a ser ignorado pelos planificadores dos sistemas educativos. No entanto, algumas iniciativas foram tomadas pelas OSC e parceiros técnicos e financeiros (PTFs). No Togo, por exemplo, os facilitadores de centros de educação de adultos estão envolvidos numa campanha de sensibilização, porta-a-porta, sobre a COVID-19, nas línguas nacionais. No Benim, Pamoja Benim criou cartazes com as medidas sanitárias e o comportamento de distanciamento social, em quatro línguas nacionais. Na Guiné, um kit de imagens foi desenvolvido para aumentar a conscientização sobre a contaminação, os sintomas da doença e as importantes medidas sanitárias. Na Gâmbia, foi estabelecido um banco alimentar para ajudar a população que vive na pobreza.

As lições aprendidas com a COVID-19 e o caminho a seguir

O mundo não será o mesmo depois da pandemia Covid-19. Daqui para a frente teremos que activamente envolver as estações de rádio e os canais de televisão na educação e formação de adultos por meio de programas desenvolvidos em colaboração com especialistas na educação de adultos.

É fundamental intensificar o ensino baseado nas TICs nos centros de educação de adultos para evitar a interrupção da aprendizagem em tempos de crise. Além disso, devem ser promovidas abordagens de literacia tais como a alfabetização em família e intergeracional porque permitem a continuidade da aprendizagem num ambiente seguro e propício.

A fim de garantir que ninguém é deixado para trás, há uma necessidade urgente de criar iniciativas a nível nacional, regional e internacional para a continuidade da educação de adultos porque esta é a chave para a prosperidade e paz sustentáveis.

Artigo de Pamoja da África Ocidental, sobre o impacto da COVID-19 sobre a educação de adultos

Por Carole AVANDE HOUNDJO, Coordenadora da Pamoja África Ocidental

[1] https://fr.unesco.org/covid19/educationresponse/nationalresponses



Deixe uma resposta