Educação, um catalisador na luta e solução para a crise climática

A Crise Climática

Graças a cientistas e educadores de todo o mundo, sabemos há décadas que o nosso planeta está a aquecer a um ritmo sem precedentes, causando mudanças significativas no nosso clima. Sabemos que esse aquecimento está a ser impulsionado principalmente pela queima de combustíveis fósseis, que libertam para a atmosfera gases que provocam o aumento da temperatura, como o dióxido de carbono. Sabemos também que o tempo urge. De acordo com o recente relatório especial sobre o aquecimento global do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC), a fim de evitar os impactos mais catastróficos da crise climática – como eventos climáticos extremos e temperaturas globais, perdas maciças na biodiversidade e altos riscos de insegurança alimentar e hídrica- temos que, até 2030, descarbonizar drasticamente a sociedade como a conhecemos.

Atualmente, 258 milhões de crianças, jovens e adolescentes não frequentam a escola. Segundo a Education Cannot Wait, 75 milhões não têm acesso à escola devido a crises como conflitos e desastres naturais. Embora nem todas as crises estejam diretamente relacionadas com a crise climática, os vínculos entre as alterações climáticas e estas crises aumentam constantemente. Ban-Ki Moon, oitavo secretário-geral das Nações Unidas, declarou já naquela altura que o conflito em Darfur está enraizado numa crise ecológica alimentada pelas alterações climáticas, sendo o primeiro conflito climático. Mais recentemente, o aquecimento foi diretamente relacionado com o aumento de guerras civis em África. Um aumento nestas crises origina o desenraizamento das populações e, no final, torna o acesso à educação cada vez mais difícil.

Mas nós também sabemos que as soluções estão ao nosso alcance. As instalações de fontes de energia renováveis, como a energia eólica e a solar, aumentaram exponencialmente nos últimos 15 anos em todo o mundo. O custo dessas fontes diminuiu drasticamente, tornando uma expectativa ainda mais razoável que os governos façam uma transição urgente para energia limpa. Além do aumento da energia renovável, assistimos a soluções inovadoras para a crise climática, como veículos elétricos, mecanismos económicos para reduzir o consumo de carbono e práticas agrícolas sustentáveis ​​para apoiar a captura de carbono. De facto, a instituição internacional de investigação, Project Drawdown, identificou 80 soluções diferentes para descarbonizar o nosso planeta a nível mundial.

No entanto, ainda estamos a enfrentar esta crise de frente. Alguns dos países com as maiores pegadas de carbono estagnaram ou deram um passo atrás no tratamento desta questão. Por exemplo, os Estados Unidos reverteram muitas das suas políticas para reduzir as emissões, apesar de ser classificado como o segundo maior emissor global, emitindo 5.269,5 milhões de toneladas de dióxido de carbono em 2017. O mais notável foi o facto de o presidente Donald Trump ter desistido do Acordo de Paris Clima 2015, assinado por 175 países que se comprometeram a manter o aquecimento global bem abaixo de 2º Celsius.

O Movimento Climático da Juventude

Mas entre essa regressão, surgiu uma voz unificada. Os jovens, preocupados com o seu futuro, estão a exigir soluções urgentes para a crise em questão – apesar de terem sido durante anos deixados de fora de uma discussão que afeta diretamente os seus meios de subsistência.

Em 2015, 21 jovens processaram o governo dos EUA, afirmando que a inação na crise climática é, e tem sido, uma violação direta dos direitos humanos dos jovens. O caso ainda está em curso, avançando lentamente no sistema de justiça para ser potencialmente analisado pelo Supremo Tribunal dos EUA. Em 2017, Jaime Margolin, de 16 anos, fundou a Zero Hour, uma organização inteiramente liderada por jovens, dedicada a apoiar os jovens sobre a maneira de se mobilizar pela justiça climática, e está interconectada com a equidade racial e a justiça económica. Nesse mesmo ano, o Movimento Sunrise lançou a sua campanha para envolver os jovens na criação da política climática mais ambiciosa dos EUA com o Green New Deal, atualmente defendida por Alexandria Ocasio-Cortez, a mulher mais jovem a ocupar um cargo no Congresso.

O movimento de jovens iniciou-se realmente quando a ativista pelo clima, Greta Thunberg, sueca, de 16 anos, se dirigiu aos governos mundiais em dezembro de 2018 na 24ª Conferência das Partes. Expressando-se com espantosa franqueza, Thunberg apontou o dedo a agências governamentais por desvalorizarem as vozes e o futuro dos jovens.

Thunberg optou por faltar à escola todas as sextas-feiras desde agosto de 2018 para se sentar em frente do Parlamento sueco exigindo uma ação climática urgente e perguntando “para quê instruir-se para um futuro que pode não existir? ”. As suas ações desencadearam um movimento internacional de jovens que se apropriaram definitivamente dos seus futuros, com a juventude mundial a manifestar-se junto dos seus próprios governos. A 15 de março de 2019 mais de 1,6 milhão de jovens em mais de 120 países participaram numa greve global pelo clima, tornando-se a maior greve climática juvenil até hoje .

Este foi um mero ponto de partida para o movimento # FridaysForFuture . Organizações e movimentos mundiais de juventude estão a juntar-se em coligação para lutar pelo seu futuro, crescendo até 20 de setembro de 2019. Dias antes da Cimeira anual sobre o clima das Nações Unidas, Greta Thunberg irá juntar-se a jovens ativistas dos EUA no lançamento da maior ação de semprede mobilização pelo clima. Com mais de 750 greves planeadas nos Estados Unidos, milhões de jovens e adultos renunciarão às responsabilidades da escola e do trabalho para exigir uma ação climática urgente e abrangente.

O papel de Educação

Embora estas manifestações de massa sejam cruciais na luta pela justiça climática, consideramos que a educação é um princípio central do movimento. Todos os níveis de educação têm um papel a desempenhar: promover uma cultura de consciência ambiental para aumentar a pressão social sobre instituições como o governo e as grandes empresas, pesquisar e descobrir novas soluções para reduzir o nosso impacto e resolver a crise, humanizar a crise climática conectando e partilhando as histórias das comunidades na linha de frente que aguentam de forma desproporcional com o grosso dos impactos climáticos.

Enquanto jovens de todo o mundo estão a faltar à escola semanalmente para enfatizar a urgência, a educação como um componente crítico torna essa forma de protesto ainda mais contundente. Os que estão no poder estão a receber uma mensagem da geração cujo futuro será diretamente impactado pela crise climática, e já é altura de a ouvirem. A crise climática não é algo que está num futuro distante ou que impactará as gerações vindouras. Os seus impactos estão a ser fortemente sentidos agora. As projeções mostram que continuam a um ritmo alarmante, com consequências cada vez mais terríveis a cada momento de inação que passa.

Esperamos que a educação seja um catalisador liderado por jovens na luta e solução da crise climática. Os dois são igualmente dependentes um do outro para estabelecer um futuro melhor para as gerações vindouras.

Encontre a sua greve climática local aqui: https://globalclimatestrike.net/#join

Taylor Rogers é uma jovem ativista, defensora da educação global e ambientalista. Ela é líder de advocacia juvenil da CGE-US e membro fundador da 260by26 , uma organização internacional sem fins lucrativos liderada por jovens, focada em alcançar a igualdade na educação global. Atualmente, ela dirige a campanha 100% comprometida – uma campanha nacional focada em cidades, universidades e empresas que fazem a transição para eletricidade 100% renovável até 2030 – no Projeto The Climate Reality(a Realidade do Clima).

Emery Kiefer é Coordenadora do Programa Campus Corpsno projeto The Climate Reality. Natural da Carolina do Norte, ela obteve o seu diploma de bacharel em recursos naturais, política e administração na Universidade pública da Carolina do Norte, levando-a a uma paixão pelo ativismo climático e juvenil. Na sua função, apoia jovens líderes da The Climate Realitynos Estados Unidos a tomar medidas importantes em relação ao clima nas suas comunidades, além de integrar os jovens no Movimento Climático da Juventude mais amplo.



Deixe uma resposta